Ética Ketchup

A mulher contrata um pistoleiro (ex-presidiário) para matar uma rival.
O preço pela vida dessa rival é de mil reais.
O pistoleiro entra em acordo com a vítima, divide a fortuna, forja o assassinato e transforma a mandante em vítima de extorsão.
A mandante do crime, agora vítima de extorsão, denuncia o caso a polícia.
A vítima inicial ( a que deveria ser morta), agora celebridade nacional e até mundial, tem a sua história contada em jornais e TVs de todo o mundo.
Entrevistas com as protagonistas da história, piadas, gozações, que aparecem como pessoas normais, comuns, como qualquer um.
Como se encomendar um assassinato, receber dinheiro para matar pessoas (pouco dinheiro diga-se de passagem), e simular a própria morte fossem coisas banais, totalmente aceitáveis e praticadas por todos.
Honestamente, eu não acho isso nada engraçado.
Eu fico sim, é cada vez mais assustado como as pessoas estão ficando anestesiadas, se acostumando com todo tipo de barbaridade e ainda achando graça de tudo.



Veja Também:

A reportagem e os urubus
O que é realmente importante?
Relação entre ratos e pobreza
Postar um comentário